Notícias

“Sociedade fracassou nos cuidados à saúde mental”, diz Geraldo Ferreira

16 maio 19

“Sociedade fracassou nos cuidados à saúde mental”, diz Geraldo Ferreira

Presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, Geraldo Ferreira, citou suicídios na ponte Newton Navarro como pontos para corroborar sua avaliação (Foto: )

Presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed-RN), Geraldo Ferreira avaliou que a sociedade falhou ao lidar com as pessoas acometidas por transtornos mentais.

Ferreira utilizou os casos de suicídio que ocorreram na ponte Newton Navarro, que liga a zona Norte à Leste na capital, para mostrar que é preciso que as autoridades públicas tomem às rédeas dessa situação e melhorem as condições dos tratamentos psiquiátricos no país.

“Nas últimas semanas, temos visto equipes de evangélicos fazendo blitzen na ponte. Pessoas que moram na região estão angustiadas com a quantidade absurda de suicídios que ocorre ali. É um grito de alerta e um pedido de socorro para que as autoridades públicas tomem nas suas mãos a responsabilidade de melhorar a assistência mental em Natal, no Rio Grande do Norte e no Brasil”, disse Geraldo.

Nos últimos dias, foi registrado que o grupo de evangélicos que faz vigília na ponte Newton Navarro conseguiu evitar mais de 80 suicídios. Antes, contudo, as mortes não eram evitadas.

“Em algumas situações costumava haver quatro óbitos por dia. Esses números são avassaladores. A sociedade precisa se curvar a esses números e compreender seu fracasso na abordagem nessa questão dos transtornos mentais”, criticou.

De acordo com Geraldo Ferreira, uma em cada três pessoas pode ter um surto significativo de doença mental durante a vida; das dez causas de afastamento do trabalho, cinco são de caráter mental. Além disso, o médico explica que 400 milhões de pessoas no mundo têm doença mental, sendo 23 milhões só no Brasil.

“É um problema gravíssimo que atinge a sociedade, fruto das grandes alterações comportamentais, para as quais, possivelmente, a sociedade não estava preparada. Nessa área de transtornos mentais é onde houve os maiores erros da condução da saúde. As doenças mentais são a décima causa de morte do mundo, superior até a doenças infecciosas”.

O presidente do Sinmed-RN também crê que a liberação de drogas, como vem ocorrendo em alguns países, só tem a contribuir para piorar o quadro. “Apenas a prevenção de danos no enfrentamento às questões das drogas não tem funcionado, e nem liberação de drogas. Isso só vai agravar os problemas de saúde e transtornos mentais”, analisou.

“Urge uma medida do governo de melhorar essa assistência psiquiátrica, tanto no âmbito ambulatorial quanto no de internamento. Hoje, quando temos um doente em risco de suicídio, ele vai para o Hospital João Machado. Ele não tem como se internar, e é mandado de volta para casa, e aí das duas uma: ou se mata, ou mata a família”.

 

 

Fonte: Agora RN