Artigos

Porque te amo Tanto, Pátria Minha

03 jan 19

Porque te amo Tanto, Pátria Minha

O País se reencontra. Depois de longos anos num projeto autoritário de poder, tentativa de reescrever a história, como se fossem fundadores da nacionalidade, pregação de ódio e de divisão entre classes sociais ou questões de cor, sexualidade ou tudo que pudesse simular um grupo, que precisasse ser tutorado ou privilegiado, para constituir uma militância feroz ou uma reserva de votos intocável, o PT encerrou seu ciclo.

E com ele seus mitos, seus delírios. No fundo os Brasileiros foram às urnas não para construir um novo país, mas para retomar o país que lhes foi sequestrado. Busca-se resgatar a cordialidade e a compreensão entre as pessoas, o respeito à religião, às famílias, aos costumes, recuperar a cultura, a ciência, a busca da verdade, tornados meros instrumentos da ideologia e da dominação que o partido procurava impor aos Brasileiros.

De repente o país renasce em busca do que sempre deu forma e conteúdo ao nosso projeto de nação, nossas raízes culturais ocidentais, respeito à democracia e aos direitos humanos, tradição judaico cristã, convivência pacífica entre classes sociais e categorias profissionais, valor do estudo, do trabalho, do mérito, tudo que fora jogado no lixo, trocado por um projeto de pensamento único que buscava a supremacia do Partido, como senhor de nossas consciências e de nossa autonomia.

 E ainda, como um violador perverso, perverteu até nossa língua pátria, ensinando nas escolas uma linguagem onde tudo seria possível, sem concessões a uma gramática ou uma língua culta, que culminou em neologismos grotescos, numa inversão diabólica de sentido e gênero das palavras, no intuito de sedimentar sua ideologia. Nenhuma novidade, apenas os ensinamentos da revolução apregoados por Lênin ou Gramsci.

Não havia forças para reagir, tal o aparelhamento do estado, da mídia e o aprisionamento das pessoas a uma máquina de dependência, dependência de bolsas, de cotas, de apadrinhamento, de cargos comissionados, de crédito fácil, mesmo sabendo que o país iria à banca rota. Saem Lula, e toda sua falsa corte de vestais, entra o povo Brasileiro, revestido de fé, coragem e esperança para vencer o pesadelo, para abraçar de novo a pátria e trêmulos de alegria indagar, por quê deixamos demorar tanto? Encerro com Vinícius de Morais:

Vontade de Beijar os olhos de minha Pátria,

De Niná-la, passar-lhe as mãos pelos cabelos,

… Porque te amo Tanto, Pátria Minha.

Geraldo Ferreira Filho – Presidente do Sinmed RN

 

Publicado no Agora Jornal dia 03/01/2019.