Artigos

O Trabalho do Diabo

19 dez 18

O Trabalho do Diabo

Em “As Ideias Têm Consequências”, Richard M. Weaver nos diz que a sociedade racional é um espelho do logos, e isso quer dizer que ela possui uma estrutura formal que possibilita sua compreensão. Portanto, a preservação da sociedade está diretamente ligada à recuperação do verdadeiro conhecimento. A sociedade tem uma estrutura e uma hierarquia. A desintegração social, pelo esforço para abolir totalmente a sociedade apareceu como o cume da filosofia marxista e materialista. Para Vladimir Tismaneanu, no Marxismo, a revolução tinha o papel de derrubar, mudar completamente, e de forma apocalíptica, a sociedade, sendo seu escopo a completa derrubada dos valores. A ênfase no materialismo deveria mudar profundamente a infraestrutura emocional, sentimental, psicológica, levando a transformação da sociedade, da economia, da cultura e da natureza humana. Para esse trabalho, filosofias complementares ou auxiliares se desenvolveram, todas voltadas para a contestação da ordem e da autoridade. A tendência geral do pensamento moderno, rejeitando os universais, é manter o indivíduo ocupado com induções intermináveis, assim o mundo do conhecimento moderno expande-se até alcançar o ponto de nulidade, já que no cerne desse conhecimento não está a busca, mas antes a deturpação da verdade. A filosofia da Desconstrução, ligada a Jacques Derrida, tem sua associação mais estreita com a cultura do repúdio, essa tentativa demoníaca de transformar a cultura ocidental em um mal a ser destruído, já que é fruto e expressão de meras relações de poder e uma forma de opressão. Para Roger Scruton, em qualquer diálogo, se supõe que o que falamos é de conhecimento comum e eu digo a verdade e diálogo com a verdade, para que se alcance uma conclusão comum. No contexto da desconstrução, não há autoridade ou legitimidade no mundo, nem verdade ou sentido, sendo o mundo uma construção humana, fundada no poder e formada de conceitos a serem desconstruídos. Derrida nos diz que a desconstrução determina de um certo exterior o que a história ou a filosofia tem dissimulado ou proibido. O mundo é uma construção humana e sua compreensão se faz por sinais ou símbolos criados, assim a filosofia, desconstruída como uma metáfora, é representação ou expressão de poder, daí a negação e o repúdio da nossa cultura e tradições ocidentais, tornando a cultura do repúdio a cultura oficial da pós modernidade. Como as construções atuais abrigam e legitimam o sistema de poder, desconstruí-las é o trabalho do Diabo.

 

Publicado no Agora Jornal dia 21/12/2018.

Fonte: Geraldo Ferreira Filho