Artigos

O fascínio das ideias - artigo de Geraldo ferreira

18 ago 17

O fascínio das ideias - artigo de Geraldo ferreira

Olavo Carvalho aponta que quando se pretende escrever ou expressar alguma ideia convém explorar o que já foi escrito e investigado, para só depois de se apossar do conhecimento daquele assunto e seu contraditório, ver se há no que pretendemos escrever alguma coisa que já não foi dita e esgotada. Christopher Dawson em a Criação do Ocidente, onde situa na idade média a raiz do pensamento e da cultura ocidental, cita Roberto de Sorbonne: Nada pode ser conhecido perfeitamente antes de ter sido ruminado pelos dentes da disputatio. A consideração ponderada, a reflexão, o espírito da crítica e a sistematização da dúvida preparam o terreno para a exatidão do pensamento. Para Dawson, a paixão pela controvérsia e pela análise lógica permitiram à cultura ocidental e à ciência avançarem, tendo a arte da disputatio se transformado em teoria de ciência e em ciência do pensamento. O Cristianismo, com sua ideia central de um Deus que se encarna e intervém na história foi um abalo na estrutura de um mundo permanente, estático ou cíclico, pensado por muitas civilizações. Havia então uma dinâmica na história que provavelmente conduziria a algum lugar. O Cristianismo, com Santo Agostinho, fala da caminhada da humanidade em busca da Cidade De Deus. Richard Sennet, em O Declínio do Homem Público descreve os tempos modernos como frequentemente comparados aos anos em que o império romano entrou em decadência. Como a podridão moral enfraqueceu o poder de Roma para governar o Ocidente, enfraqueceu o poder do Ocidente para governar o globo. Permeando a busca do poder encontram-se teorias, filosofias, ideologias que buscam conquistar a mente humana. O conflito entre o sagrado e o secularismo, entre a liberdade e a igualdade, moral e individualidade, direitos e deveres, encontram muito de sua expressão e disputa na política. Para Angus Deaton, economista, em seu livro “A Grande Evasão”, a grande luta da humanidade é para fugir da morte, da miséria e da ignorância. Forças sociais atuam, usando a história ou uma versão política ou ideológica para alcançar fins político-sociais como meio de alterar a vida e as ações humanas. Os intelectuais, para o bem e para o mal, tomaram em suas mãos moldar a sociedade, há uma guerra em curso procurando conquistar a adesão e a paixão das mentes para projetos de mundo, quase sempre utópicos. Conhecer a origem filosófica ou ideológica por trás das ideias política é um passo importante para adotá-las ou desmistificá-las. 

 

*Artigo de Geraldo Ferreira publicado no Novo Jornal dia 18/08/2017

Fonte: Geraldo Ferreira Filho