Artigos

AGENDA BRASIL - O PODER DA MENTIRA

19 jun 18

AGENDA BRASIL - O PODER DA MENTIRA

  

Caminhamos para uma campanha eleitoral, em 2018, onde as mídias darão o tom, os temas importantes e fundamentais como corrupção, trabalho, ética, desenvolvimento, saúde, educação, segurança, serão manipulados, distorcidos, submetidos a dissonâncias e disparates. Neste ambiente as fake news serão utilizadas de forma nauseante, porque na era da pós verdade os fatos pouco importam. Todo cuidado é pouco. Manuel Castel, em O Poder da Comunicação, onde estuda as várias redes interligadas de mídia, política, financeira e cultural, diferencia o poder em rede do poder da rede e do poder sobre a rede, que é a capacidade de impor agenda, gerenciamento e tomada de decisões. Ryan Holiday, em Acredite, Estou Mentindo, descrito pelo Financial Times como um livro espantoso e perturbador, faz uma avaliação das mídias atuais, em sua forma de produzir, agir e ganhar dinheiro. Mostra a vulnerabilidade do sistema, formado por necessidades prementes de escrever simples, rápido, sem ouvir fontes e sem pesquisar, que o torna passível de manipulação, embora a regra sejam forças dominantes do meio cultural se apropriarem dele sem pudor para doutrinar, enganar e persuadir. Vários fenômenos têm acompanhado esses tempos, a política do escândalo, uso de fontes anônimas, especulação de uma matéria ultrajante como base e verdade para outra. A militância em ambientes virtuais, formada por grupos ativistas ou partidários podem desencadear ataques organizados, e em larga escala, devastadores para pessoas ou empresas, em verdadeiras cerimônias de degradação pública. Quando toda notícia é de segunda mão, quando todo testemunho é incerto, as pessoas param de responder às verdades e respondem simplesmente a opiniões, o ambiente não é mais o da realidade, mas o pseudoambiente de relatos, boatos e suposições, toda referência de pensamento vem a ser o que alguém afirma não o que realmente é, a ficção passa como realidade, todo mundo está vendendo e enganando. Roger Scruton cita que agendas na mídia e na sociedade são impostas através de argumento de transferência, onde a situação atual precisa ser justificada e outros mecanismos como opiniões de especialistas inventados, culpa transferida, boicote de inimigos que tem que ser eliminados, teorias absurdas e disparates ilógicos que confundem a capacidade de ver a verdade. Scruton conclui, citando Platão, A verdade é o negócio da filosofia, porém é a retórica, não a filosofia que agita a multidão.

*Publicado em 19/06/2018 no Agora Jornal 

Fonte: Geraldo Ferreira