Diversos

Clínicos do HWG reivindicam melhorias nas escalas de plantão

12 jan 10

A crise provocada pela falta de clínicos no Hospital Walfredo Gurgel (HWG) será a pauta de discussões na reunião entre os profissionais da unidade e a diretoria do Sinmed, na noite desta terça-feira (12), na sede do sindicato. Os profissionais que atuam no pronto socorro Clóvis Sarinho esperam, desde dezembro, a chegada de outros profissionais para completar a escala, mas até agora nenhuma resposta foi dada pelo poder público.

A garantia de ampliação no quadro de clínicos do HWG ocorreu em uma audiência no mês de dezembro, entre representantes da Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), o Sindicato dos Médicos do RN e os plantonistas do Hospital. Na ocasião, foi acordado que até o dia 16 de janeiro, outros 17 plantonistas seriam providenciados e a escala com até então dois clínicos por turno, seria abolida, dando lugar a mais dois profissionais no plantão. 
 
De acordo com um dos plantonistas do HWG, Drº João Rabelo, os profissionais esperados ainda não se apresentaram e o problema continua. “Para amenizar a situação e não suspender os atendimentos, desde o dia 27 de dezembro estamos cumprindo uma escala com quatro clínicos por turno, com término dia 18 de janeiro. No entanto, a diretoria do hospital, publicou no dia 30 de dezembro, uma escala com apenas dois clínicos, por turno, contrária às decisões da audiência com a Sesap”, declara o plantonista. 
 
Segundo o Drº João Rabelo, existe a intenção da secretaria de apenas admitir os profissionais aprovados em concurso, caso esses assumam primeiramente a urgência da unidade, no entanto, os novos médicos, por exemplo, não se sentem atraídos pelo salário e condições de trabalho. “Se observarmos bem, veremos que não há médicos jovens em um pronto socorro como o Clóvis Sarinho. Lá existem cerca de 300 leitos e os plantões são assoberbados de atividades, desproporcional ao salário pago”, explica. 
 
Sobre estes e outros problemas, os clínicos do Hospital Walfredo Gurgel pedem o apoio dos órgãos competentes de toda a classe, uma vez que a escala feita pelos clínicos do HWG termina no próximo dia 18 e a falta destes profissionais pode acarretar o fechamento do pronto socorro.  
 
O Sindicato dos Médicos do RN entende a situação de urgência e se preocupa com a sobrecarga dos profissionais, que inevitavelmente compromete o bom atendimento, e a capacidade de executar as atividades cotidianas. 
 
A reunião poderá definir, inclusive, a decretação do estado de greve, já que a diretoria ameaça os médicos a cumprir uma jornada maior de plantão para fechar as escalas.